Monique nasceu na Bahia e mudou-se para o Rio de Janeiro, cursando a Faculdade de Economia na UFRJ. Durante o curso superior, organizou inúmeros shows com astros da mpb, como parte do movimento político pela abertura. Nessa época, participou da coordenação dos shows 1º de Maio, liderados por Chico Buarque. Em 1982, ao lado da irmã Sylvia Gardenberg, fundou a Dueto Produções, criando e produzindo eventos culturais de grande porte e de repercussão nacional e internacional. Em 1989, Monique cursou a escola de cinema da New York University. A partir de então, desenvolveu uma forte relação com o cinema, escrevendo e dirigindo os filmes Day 67 (1989), Diário Noturno (1993), Jenipapo (1996), Benjamin (2003), Ó Pai, Ó (2007), exibidos em festivais de cinema internacionais como Sundance, Toronto e Veneza. Ainda como diretora, assina os especiais de TV Cabalero de Fina Estampa e Prenda Minha, de Caetano Veloso. E no teatro, as peças Os Sete Afluentes do Rio Ota de Robert Lepage (2002), Baque de Neil Labute (2005), Um Dia, no Verão do autor norueguês Jon Fosse (2007), Inverno da Luz Vermelha de Adam Rapp (2010), e O Desaparecimento do Elefante (2012), adaptação dos contos de Haruki Murakami. Entre seus últimos trabalhos como diretora artística estão o projeto Nivea Viva Tom Jobim e Nivea Viva O Samba, além do circuito de shows Banco do Brasil Covers. No cinema, se prepara para dirigir A Caixa Preta, adaptação do livro homônimo de Amos Oz, em que assina o roteiro, e Ó Paí, Ó 2.